Casa da Floresta

VIDA: APRENDIZADO NA PRÁTICA.

Monday, November 24, 2003

Recuperação

Depois que eu comecei a me envolver com pessoas em terapia, grupos de ajuda e afins eu comecei a pensar quando vc sabe que está se recuperando?
Será que soa falso ir à psicóloga e dizer "acho que estou mudando!"
Será qie essa tal de recuperação que alguns dizem ter alcançado realmente é algo acançável a todos?
Será que algum dia pararei de simplesmente perguntar e começarei a afirmar as coisas?

A única resposta que tenho até agora é: Não sei.
Mais uma pergunta: Saberei algum dia?

Algumas pessoas me indagaram se eu não estava sendo apressada por fazer essa perguntas. Não sei realmente, não digo que quero saber QUANDO essas coisas vão acontecer, mas SE elas vão acontecer.
Vai ver isso não é possível para que continuemos tendo fé. Para que continuemos acreditando que tudo é possível.

Talvez eu esteja constrariando meus próprios princípios de que podemos mudar o nosso futuro com as ações presentes, mesmo sabendo a direção dos fatos. É por isso que eu jogo tarot. Não para saber o futuro, mas para saber para onde o presente se encaminha.

Espero algum dia conseguir me chamar de bonita sem pensar que estou sendo uma metida, ou coisas do gênero.

Vai ver algum dia eu passo dessa fase de recuperação, afinal, já consegui sair da fase sem recuperação e entrar nessa. Pode ser uma promessa...

Wednesday, November 05, 2003

Ficção

Já faz muito tempo que eu gasto o meu tempo com tv e cinema. Talvez por isso consiga comparar a ficção com a realidade. A ficção sempre fez parecer que ela é mais fantástica que a relidade. Oq realmente não é verdade. Cada filme, cada série, cada programa se preocupa em realçar apenas um aspecto da vida das pessoas como se ela toda fosse só aquilo.

Não é verdade.

Parece simples falar assim, mas darei exemplo usando a minha própria vida.
Se minha vida fosse uma série de tv ela seria um filme. Parec estranho dizer assim não? Mas é que os filmes se vangloriam por mais gêneros e as séries por ter mais tempo. Ficarei com os dois.
Na melhor simplificação, poderia dizer que minha vida é uma tragi-dramédia.

Ao acordar seria meio comédia, daquelas que as pessoas levantam, olham pro despertador, apertam um botão instintivo e voltam a dormir.

Quando eu levanto, Drama, pq eu me dou conta que estou sozinha acordada, que todos estão dormindo e que o mundo lá fora parece tão vazio. Isso serve para o café da manhã tb.

Sair pra faculdade pareceria mais um documentário pq mostra a vida dos trabalhadores que saem de manhã cedo pro trabalho e precisam pegar o buzão cheio com vários outros dormentes passageiros pra chegar a algum lugar. EU pego pelo menos dois meios de transporte. Um buzão e ando ou se estiver muito quente eu pego o metrô.

Na faculdade viraria um gênero bem universitário mesmo. Aquele que mostra os alunos tendo que lidar com alunos, trabalhos, professores um mais figura que o outro...

Aì vc volta ao documentário pras pessoas que precisam arranjar tepo pra almoçar ou se vc preferir um dobre pessoas com problemas alimentares que precisam controlar oq colocam ou deixam de colocar no prato de comida, que olham em volta e sempre acham a sobremesa e olham, olham... "Salada de fruta, ok. Depois eu compro um chokito". Até parece que me engana! That´s me!

Sai da faculdade com o gênero negócios. Coloco minha melhor cara de futura executiva e vou pra labuta. Brinca de executiva, trabalho de estagiário não serve pra muita coisa, mas alguém precisa fazê-lo. A diferença é que no japão andam pagando a maior grana pros negócios que ninguém quer fazer... É, devo estar no país errado.

Liga o computador e eu consigo ver atrás aquelas reportagens "século 21: a era digital" no meio da tela. Vc fala com pessoas do nmundo todo, vc conhece e tem melhores amigos em lugares que vc nunca foi e provavelmente nunca irá na vida. Vc adora pessoas que muitas vezes vc nem sabe como elas são de verdade. Vc faz alianças, entra em grupos, acha seus iguais. Tudo na frente de uma telinha pós-moderna.

Sai do trabalho e tem oq fazer: espanhol (juventude brilhante), psicóloga (drama da vida real)...

Vc chega em casa e tem um irmão drogado.

Sou bruxa 24 hrs por dia, mas aos sábados eu sou espécime. Magias, mistérios, telepatias, feitiços, astros e cartas... Quem disse que minha vida tb não é um filme de bruxas? Pergunte ao meu caldeirão.

E vc acha que acaba aí? Polícia, folclore e até um pouco de sci-fi entram nessa história!

Ah, anda faltando romance, né? Bom, pelo tempo que já foi, pelo tempo que virá. Até que anda bem estar com romance em baixa... basta de ex-namorados!

No fim do dia ainda tem aquele gênero pais e filhos... não, isso não é necessariamente bom...

"Relaxa que a sessão vai começar que é hoje é dia de sofá!"
"Sinto informar-lhe, mas seu coqueiro dá limões!"